Timbu precisa vencer sete de 10 jogos para não cair
Timbu precisa vencer sete de 10 jogos para não cairFoto: Divulgação/Léo Lemos

O Náutico não pode mais fazer contratações nesta temporada. Dificilmente os atletas que já estão no elenco terão um grande acréscimo de qualidade técnica até o final da Série B 2017. Nesses aspectos, o Timbu já chegou ao seu limite. Tal notícia causa preocupação, afinal, o clube necessita de uma evolução para sair da zona de rebaixamento. Para evitar um fim de ano melancólico, o técnico Roberto Fernandes aposta em algo que transcende o que acontece dentro das quatro linhas. Comprometimento é a palavra que o comandante colocou no topo de prioridade do clube para alcançar uma salvação cada vez mais complicada.

"Você só se compromete com o que acredita. Precisamos saber no íntimo de cada um o quanto eles acreditam que são capazes de vencer sete jogos em 10. Se essa crença não for absoluta, o comprometimento será da boca para fora. Quando um clube chega nessa situação, mais do que a qualidade técnica, vale o caráter e a dignidade. Se só contasse qualidade, como o Corinthians cairia? Ou Grêmio e Atlético/MG? O Inter do ano passado, no papel, era time para ficar entre os últimos? Precisamos de um nível de concentração melhor no trabalho", afirmou o técnico.

Leia também:
Dico quer aproveitar queda de rendimento do Guarani
Ingressos à venda para Náutico x Guarani, no Lacerdão

"O jogo contra Oeste, por exemplo, foi o que eu mais fiquei insatisfeito com o grupo. Não vencemos porque não tivemos concentração. Tirando essa partida, o Náutico perdeu as outras por falta de disposição? Não. Mas futebol é imposição. Você chuta e acerta na trave. Aí vem outro e faz o gol. Olha o primeiro tempo que fizemos contra o Paraná. Se não foi pênalti, foi falta muito perto da área em cima do Diego Miranda. Mas aí tomamos um gol no início do segundo tempo em uma desconcentração coletiva. Paraná engoliu o Náutico? Não, mas esbarramos nessa limitação", completou.

Além de responder perguntas do presente e do futuro, vira e mexe Roberto é abordado por pontos que remetem ao passado do Náutico na Segundona. Sempre que acontece, o treinador prefere relembrar que boa parte da situação delicada do clube é responsabilidade de falhas antigas. "Com o trabalho que está sendo feito agora, tendo esse aproveitamento atual meu, o Náutico estaria girando entre nono e 11º. Mas a herança é maldita", pontuou. O Timbu é o atual 19º colocando, com 23 pontos.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: