Paulo realizou ato no Ibura nesta sexta (21) e disse que "tem lado"
Paulo realizou ato no Ibura nesta sexta (21) e disse que "tem lado"Foto: Hélia Scheppa/Frente Popular

O candidato ao Governo de Pernambuco da Frente Popular, Paulo Câmara (PSB), fala em "lado do povo", em caminhada no bairro do Ibura. "Essa eleição tem uma importância diferente. Ela nos dará a oportunidade de escolher entre dois lados. O lado de Miguel Arraes, de Eduardo Campos, do presidente Lula. O lado do povo. Já o outro é da turma que só trouxe aumento de conta de luz, botijão de gás, do preço da gasolina e que fez reforma contra trabalhador brasileiro", alertou.

O prefeito Geraldo Julio prometeu a maior votação do Brasil para o presidenciável Fernando Haddad (PT). "Vamos dizer para aquele que já foi o maior presidente que Brasil já teve que Fernando Haddad vai ter, em Pernambuco, a maior votação do Brasil. Essa é a homenagem que a gente vai fazer ao presidente que deu renda, oportunidade de trabalho, deu crédito, que abriu oportunidades dos jovens da família pobre de fazer, na universidade, o seu curso superior", resgatou.

Agenda dos candidatos ao Governo de Pernambuco 2018
Agenda dos candidatos ao Governo de Pernambuco 2018Foto: Arte: Folha de Pernambuco

Agenda do candidato Armando Monteiro (PTB)

Sábado

07h40 - Visita a Feira de Bom Conselho

10h - Encontro com as Lideranças do Agreste Meridional

- Local: Hotel Rodrigues - Av. Rui Barbosa, 688 - Heliópolis, Garanhuns

10h30 - Grande Caminhada no Centro de Garanhuns, com o prefeito Izaías Régis

15h30 - Gravação do Guia

Domingo

10h30 – Limoreiro - Apresenta proposta de isenção do IPVA a motoqueiros da região

15h – Gravação para o Guia

Agenda de Maurício Rands (Pros)


Sábado

10h Panfletagem na Praia de Boa Viagem (Recife)

15h Passeata em Brasília Teimosa (Recife)

17h Passeata na UR-3 (Recife)

Domingo

10h Passeata em Prazeres (Jaboatão dos Guararapes)

13h30 Recepção para receber Ciro Gomes (Aeroporto)

14h30 Bate-papo com Ciro no auditório do Colégio Maria Auxiliadora (Graças)

Agenda da candidata Simone Fontana (PSTU)

8h - Panfletos na feira central de Ipojuca com o candidato federal Amaro de Ipojuca e demais candidatos

14h - Porta a porta na comunidade de Novo Horizonte com a candidata deputada estadual Dayse Medeiros

Agenda do candidato Julio Lossio (Rede)

10h-Gravação para as Mídias Sociais

15h- Caravana 18 chega ao Araripe

Local: Ouricuri

16h- Caravana 18 em Araripina

17h-Caminhada em Bodocó

Agenda da candidata Dani Portela (PSol)

Sábado

9h- Caminhada em Nova Descoberta com candidato a Deputado Estadual Aldo Lima
Mercado Público de Nova Descoberta | Av. Ver. Otacílio Azevedo, 2311 - Vasco da Gama

14h- Comício na Comunidade de Jardim Uchôa
R. Ana Aurora, Areias | Ao lado do depósito de Toinho

16h- Panfletagem com Dani no Dia Mundial Sem Carro
Marco Zero, Recife Antigo

Domingo

9h- Encontro: Voto Consciente e as Eleições com o Grupo Mulher Maravilha
R. Nova Descoberta, 849, Nova Descoberta

10h -aminhada em Ouro Preto com o candidato a Deputado Federal Flávio Barbosa
R. Faisão, 36, Ouro Preto (Na praça em frente ao endereço marcado)

13h- Plenária com militância e apoiadores com o candidato a Deputado Federal Paulo Rubem

Comitê PSOL | Rua Feliciano Gomes, 134, Derby

 

15h- Parada da Diversidade de Dois Unidos
R. Canavial, 98 - Dois Unidos (Em frente ao Centro de Treinamento do Santa Cruz Futebol Clube)

Agenda do candidato Paulo Câmara (PSB)

Júlio Lóssio foi expulso do partido. Na próxima segunda-feira, Rede deve pedir a retirada da sua candidatura no TRE-PE
Júlio Lóssio foi expulso do partido. Na próxima segunda-feira, Rede deve pedir a retirada da sua candidatura no TRE-PEFoto: Rafael Furtado

A executiva nacional da Rede Sustentabilidade acaba de anunciar, nesta sexta-feira (21), que o candidato ao Governo de Pernambuco, Julio Lossio, está expulso da legenda. Em Brasília, 21 dos 25 membros da executiva que estavam presentes na reuniao votaram contra o ex-prefeito de Petrolina.

Na próxima segunda-feira (24), o partido ingressará com uma ação no Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco pela retirada da sua candidatura.

Leia também:
Chapa de Julio Lossio responde à notificação da Rede
Apoio de Bolsonaristas a Julio Lossio causa desfiliações na Rede
Aliança com bolsonaristas quase custa candidatura de Lossio
Rede notifica Julio Lossio por infidelidade partidária
Adriana Rocha, da Rede, rechaça Bolsonaro e diz que vota em Marina
Coluna Renata Bezerra de Melo - Entre romper com o PSB e dividir espaço com Bolsonaro

Julio Lossio disse que ainda não foi notificado pelo partido e acredita que a informação não procede. "Assim que eu for comunicado farei pronunciamento. Serei o primeiro político do Brasil a ser processado por receber apoio", disse via WhatsApp.

Nota de Esclarecimento


Apesar de ainda não ter sido notificado da decisão, em relação à publicação feita no site da REDE Sustentabilidade, venho esclarecer:

A legislação garante que um filiado a partido político somente pode ser expulso por processo disciplinar em sejam garantidos o contraditório, a ampla defesa e o devido processo legal.

Contudo, numa manifestação opressiva e antidemocrática, a REDE decidiu pela minha expulsão sumária, sem nenhum respeito a essas sagradas garantias constitucionais.

A campanha seguirá normalmente até a decisão da Justiça Eleitoral, quem efetivamente tem competência para dar a palavra final sobre o tema e deliberar sobre eventual pedido de cancelamento de registro de candidatura.

Confio no Poder Judiciário e tenho convicção de que esse ato arbitrário será revisto pelo Egrégio Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco.

Os partidos políticos não podem pregar a democracia da “porta pra fora” e funcionar com uma ditadura da “porta pra dentro”. A democracia intrapartidária exige respeito aos direitos fundamentais dos filiados, tal como previsto na nossa valorosa Constituição.


Julio Lossio
Candidato a Governador de Pernambuco

*Mais informações no Caderno de Política da Folha de Pernambuco deste sábado (22)

Armando Monteiro (PTB) em entrevista a emissora de Caruaru
Armando Monteiro (PTB) em entrevista a emissora de CaruaruFoto: Ricardo Labastier/Divulgação

Depois da troca de acusações protagonizada nessa sexta-feira (21), por meio de notas oficias das campanhas de Paulo Câmara (PSB) e Armando Monteiro (PTB), o clima de acirramento se manteve forte. O senador continuou a partir para o embate, trazendo à mesa o tema do desemprego, desta vez em entrevista concedida a uma rádio de Caruaru.

Em duas horas de sabatina, Armando conversou com os jornalistas da emissora sobre temas como segurança, saúde, estradas e ética na política. Mas o desemprego em foi um assunto marcante no discurso do petebista. “Temos mais de 700 mil pessoas sem trabalho e Pernambuco lidera o desemprego no Nordeste. O atual governo é fraco, fica apenas reclamando da crise e não assume suas responsabilidades, o resultado é um desastre para milhares de família que estão sem fonte de renda”, afirmou Armando.

Criticando os convênios travados com a União que, segundo ele, somam R$ 298 milhões em caixa para realizar obras de infraestrutura, Armando bateu no governo, por conta das obras paradas e a falta de investimento em infraestrutura. "São obras como a conclusão do terminal para o Corredor Norte-Sul, pavimentação e recuperação de rodovias e construção de unidades habitacionais.Estamos falando de ações importantes, que a população necessita, e que geram empregos na construção civil. O que falta em Pernambuco é governo”, disse.

Armando citou, ainda, Eduardo Campos, que ao assumir o governo em 2007, chamou para si a responsabilidade, gerenciando as ações do Pacto Pela Vida. “Bastou Eduardo sair de cena e tudo que tudo que havia sido conquistado foi perdido”, alfinetou.

Maurício Rands (Pros) se apresentou como "alternativa à esquerda"
Maurício Rands (Pros) se apresentou como "alternativa à esquerda"Foto: Imprensa Rands 90

Maurício Rands (Pros) participou, nesta sexta-feira (21) de debate com os candidatos ao Governo de Pernambuco em uma faculdade privada, na Imbiribeira, Recife, e tentou posicionar sua candidatura. "Somos oposição à esquerda ao Governo Paulo Câmara (PSB), temos uma visão política crítica, assumimos compromissos com o desenvolvimento estratégico e pregamos a abertura para o diálogo com todos os setores da sociedade", delimitou.

Maurício Rands falou para os cerca de 300 estudantes e profissionais do ensino que acompanharam o debate. “Vocês têm de fazer uma escolha: se querem o governo que está ou se preferem a oposição. A minha candidatura é uma das candidaturas de oposição à esquerda. Armando e, agora, Julio Lossio são oposição à direita. A decisão virá das urnas”.

O debate contou com as presenças dos candidatos Dani Portela, Julio Lossio e Luciana Santos, representando Paulo Câmara. Durante cerca de duas horas, os candidatos responderam a perguntas sobre saúde, educação, segurança, mobilidade e transporte. Depois do debate, Maurício Rands viajou para Bezerros, no Agreste, para um encontro com os agentes comunitários de saúde e de controle de endemias para conversar sobre saúde preventiva.

Alex Ribeiro
Alex RibeiroFoto: Divulgação Facebook

* Por Alex Ribeiro, jornalista, cientista político e doutorando pela UFBA

As últimas pesquisas sobre a corrida presidencial apontam o fim da polarização do PT e PSDB. A estabilização do candidato Jair Bolsonaro (PSL) na liderança é a principal variável para fortalecer a chance de uma terceira via. Com a sua ascensão, o campo da centro direita esta desestabilizado e Geraldo Alckmin (PSDB), que aparece em quarto lugar nos últimos levantamentos, tenta usar de todas as estratégias para chegar ao segundo turno.

Podemos levantar algumas hipóteses sobre o fim da hegemonia do PT e PSDB. A primeira é que o antilulismo está ligado a Bolsonaro e não mais aos tucanos. O candidato do PSL faz discursos fortes contra os petistas – perigosos até como uma possível fraude eleitoral. O seu último vídeo dentro do hospital com diversas acusações contra o Partido dos Trabalhadores trouxe uma polarização ainda maior entre as duas legendas.

A segunda hipótese é a estratégica equivocada do PSDB pela aliança com o presidente Michel Temer (PMDB). Nesse caso, a aversão ao peemedebista é maior que o antilulismo. Alguns analistas avaliam que a força partidária dos tucanos ainda podem mudar os rumos da corrida eleitoral – como foi o caso da eleição de 2014 quando Aécio Neves chegou no segundo turno e deixou Michel Temer (PMDB para trás. No entanto, as tendências das últimas pesquisas apontam que Geraldo Alckmin está oscilando para baixo e possivelmente seus ataques conjuntos contra Lula e Bolsonaro nas recentes propagandas eleitorais podem não surtir efeito a curto prazo.

A terceira hipótese está a força do lulismo em contraponto aqueles que buscam uma alternativa de voto diante dos quadros de Jair Bolsonaro, Fernando Haddad e Alckmin. O postulante Ciro Gomes é o que atrai mais votos deste eleitores e, por conta disso, mantém seu percentual pouco acima dos 10%. No entanto, por estar dentro do campo da centro esquerda sua candidatura não deve decolar, ou seja, a força do ex-presidente Lula ainda é considerável e com isso mantém uma base eleitoral forte. Em resumo: sem o apoio do líder-mor do PT dificilmente algum candidato tido como progressista terá sucesso nas urnas.

Diante dessas hipóteses é possível afirmar que dificilmente a conjuntura eleitoral mantida nas últimas eleições deve continuar. Com pouco mais de duas semanas para o pleito a terceira via, representada por Jair Bolsonaro, mudará o paradigma da corrida presidencial. O tempo de TV e rádio e as forças das máquinas partidárias não serão suficientes para um sucesso eleitoral.

Vale lembrar que as conjunturas são modificadas quando existem rompimentos no campo político. As consequências do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) são as principais causas do momento conturbado do País. E quando existem descontinuidades no processo normal do estado democrático surge o personalismo exacerbado. E a História do Brasil republicano mostra que a estabilidade fica longe de ser realizada com a atuação desses atores políticos.

Armando Monteiro (PTB) x Paulo Câmara (PSB)
Armando Monteiro (PTB) x Paulo Câmara (PSB)Foto: Divulgação/Folha de Pernambuco

Os cenários das pesquisas anteriores que colocavam o governador e candidato à reeleição, Paulo Câmara (PSB), na liderança isolada da corrida ao Governo do Estado, mudou de tonalidade com a última pesquisa Datafolha, que aponta para um empate técnico do socialista com o senador Armando Monteiro (PDT) - o socialista aparece com 35% e o senador agora tem 31% dos votos, empatados, portanto, na margem de erro, que é de 3%.

Esse novo levantamento rapidamente surtiu efeito nas estratégias de campanha, que elevaram o tom dos ataques, de ambos os lados. Nesta sexta (21), a troca de farpas foi intensa. Primeiro, a campanha de Armando enviou uma nota, denunciando a divulgação de material incluindo "jornais de seus apoiadores distribuídos gratuitamente em sinais de trânsito, vídeos disparados nas redes sociais e peças de caráter anônimo circulando pelo WhatsApp", diz trecho da nota enviada. Segundo a campanha de Armando, a frente Popular estaria disseminando notícias falsas para atingir a imagem do senador. "Os adversários iniciaram uma campanha suja, mentirosa e baseada em fake news e na distorção da realidade", reclamam.

A assessoria de Paulo Câmara rapidamente respondeu, repudiando o que chamou de "desrespeitosa e mentirosa nota" enviada pela Coligação Pernambuco Vai Mudar. "Os elementos listados pela Turma de Temer em Pernambuco dizem respeito justamente às práticas desse grupo, que diuturnamente espalham boatos e mentiras contra o governador Paulo Câmara, em uma campanha difamatória via telefonemas anônimos e fake news - instrumentos próprios de quem prevê a derrota".

Ao que tudo indica, a reta final de campanha será marcada pelo acirramento e permeada por acusações e ataques aos adversários, além da corrida para convencer eleitores indecisos e reverter votos brancos e nulos, que podem determinar a vitória para qualquer um dos lados.

Confira as notas, na íntegra:

"NOTA DA COLIGAÇÃO PERNAMBUCO VAI MUDAR

Desesperados com crescimento de Armando, adversários apelam para a baixaria
Com o crescimento de Armando Monteiro nas pesquisas e a aproximação do dia da eleição, os adversários iniciaram uma campanha suja, mentirosa e baseada em fake news e na distorção da realidade. O desespero dos adversários se traduz em jornais de seus apoiadores distribuídos gratuitamente em sinais de trânsito, vídeos disparados nas redes sociais e peças de caráter anônimo circulando pelo WhatsApp.
A coligação Pernambuco Vai Mudar repudia esses ataques inescrupulosos e denuncia à sociedade essa tentativa de enganar o povo pernambucano.

Para o atual governador, vale tudo para não perder o poder. Até atacar os familiares de Armando. Isso é inaceitável e não faz parte do jogo democrático. Trata-se de um expediente dos mais baixos, repudiável em quaisquer circunstâncias.
Na busca pela manutenção dos privilégios que já duram 12 anos, os adversários recorrem à distribuição de panfletos e materiais impressos na calada da noite, na replicação do que há mais reprovável no jogo eleitoral: a mentira. Não é a primeira vez que os adversários usam desse expediente, abusando das fake news.

O atual governador foi um dos principais articuladores da chegada de Temer ao poder, liberando seus secretários para retomarem seus cargos na Câmara Federal para votarem a favor do impeachment. Foi o PSB o fiel da balança: 29 dos seus deputados votaram para levar Temer ao Planalto.

Na tentativa de mistificar e enganar o eleitor, o atual governador de Pernambuco atendeu a constantes chamamentos de Temer e tendo, inclusive, gravado um vídeo oficial defendendo a reforma trabalhista. Como na linguagem popular, o atual governador age como se batesse uma carteira e gritasse “pega ladrão”.
A coligação Pernambuco Vai Mudar insiste em chamar a atenção do povo
pernambucano para que não se deixe enganar por falsas promessas. Em 2014, isso já aconteceu, com um desfile de mentiras em forma de promessas que, hoje, vemos, não se cumpriram e transformaram Pernambuco numa pálida sombra do que o nosso Estado já foi. Em 2018, os adversários, sentindo o crescimento do sentimento de mudança, querem fazer o mesmo. Mas o povo de Pernambuco, independente, altivo e consciente, não vai deixar a história se repetir como farsa".


"NOTA OFICIAL DA FRENTE POPULAR

A Frente Popular repudia a desrespeitosa e mentirosa nota da coligação Pernambuco Vai Mudar, que tem à frente o senador Armando Monteiro Neto. Os elementos listados pela Turma de Temer em Pernambuco dizem respeito justamente às práticas desse grupo, que diuturnamente espalham boatos e mentiras contra o governador Paulo Câmara, em uma campanha difamatória via telefonemas anônimos e fake news - instrumentos próprios de quem prevê a derrota.

Primeiro, Armando deveria explicar aos eleitores como a sua longa história de fracassos como gestor dialoga com a sua atuação elitista no Congresso Nacional, quando, por exemplo, votou pela retirada de direitos do trabalhador na reforma combinada entre o desastroso Governo Temer e suas bancadas na Câmara e no Senado.

Vale lembrar aos pernambucanos que essa reforma foi proposta pelo PTB, partido de Armando, ao presidente Temer, que entregou o Ministério do Trabalho aos petebistas desde que assumiu o poder.

A coligação de Armando decidiu pelo caminho da desonestidade com os fatos, envergonhando Pernambuco e nossa tradição de fazer política com altivez.
Reafirmamos o nosso compromisso com a verdade, a transparência e o respeito ao povo de Pernambuco. Vamos continuar em frente, com nossa campanha propositiva, prestando contas aos cidadãos e discutindo o futuro do nosso Estado".

Paulo Rabello de Castro durante ato contra aumento de impostos nesta sexta-feira
Paulo Rabello de Castro durante ato contra aumento de impostos nesta sexta-feiraFoto: Anderson Stevens/Folha de Pernambuco

Escute no Podcast Folhape, desta sexta-feira (21), Paulo Rabello de Castro (PSC), candidato a vice-presidente de Álvaro Dias (Pode), que esteve no Recife para fazer uma palestra apresentando soluções para o tema “Investimentos para Todos – A Reivindicação do Nordeste Brasileiro!", numa faculdade particular do Recife. Saiba do ato público que ganhou a Avenida Conde da Boa Vista, nas proximidades de um shopping center, com a coordenadora do Centro de Estudos do Nordeste (Cenor) Janaína Dantas.

Também saiba a opinião do economista Jorge Jatobá, que falou sobre as perspectivas econômicas para Pernambuco após as eleições, assim como analisou algumas propostas dos presidenciáveis candidatos ao Governo do Estado.

Ouça e compartilhe.

Humberto Costa (PT) em Jaboatão dos Guararapes
Humberto Costa (PT) em Jaboatão dos GuararapesFoto: Ascom Humberto Costa

Em passagem por Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana do Recife, o senador e candidato à reeleição, Humberto Costa (PT), demonstrou otimismo na vitória de Fernando Haddad (PT) para a presidência da República. “A gente precisa colocar no lugar deste presidente que está aí alguém que tenha compromisso com o Brasil, especialmente com o povo mais pobre.”, destacou Humberto, citando as grandes ações de Haddad a frente do Ministério da Educação.

“Todos nós queríamos votar no presidente Lula. Eles tanto fizeram, que perseguiram, condenaram, prenderam e, por fim, cassaram a candidatura do nosso presidente. Mas Lula está pedindo ao Brasil que apoie o nome que ele está apresentando: o de melhor ministro da educação que o Brasil já teve que é Fernando Haddad”, disse.

O pronunciamento ocorreu após a caminhada da Frente Popular em Jaboatão dos Guararapes, nessa quinta-feira (20). A comitiva da Frente Popular percorreu as principais ruas dos bairros de Prazeres e Cajueiro Seco. O senador denunciou o desmonte promovido pelo governo Temer nos programas sociais voltados para o trabalhador. Ele relembrou dos cortes no Bolsa Família, no programa Minha Casa, Minha Vida e da alta do desemprego.

“Nós estamos bem pertinho da eleição e queremos fazer, nestes dias finais, um movimento de reflexão sobre o Brasil e Pernambuco. Nosso povo está vivendo um momento muito difícil no país. Michel, o pior presidente da república que o Brasil já teve, está massacrando nossa população, causando grandes dificuldades para as pessoas”, assinalou.

Marina é a candidata de Adriana Rocha, que rejeita postura de Lossio de receber apoio de Bolsonaristas
Marina é a candidata de Adriana Rocha, que rejeita postura de Lossio de receber apoio de BolsonaristasFoto: Divulgação

Dias atrás, o candidato ao Governo de Pernambuco pela Rede Sustentabilidade, Julio Lossio, foi notificado pela executiva estadual da legenda por ter recebido apoio de bolsonaristas. Ele também participou de atos de campanha que apoiavam o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL). A reação do seu próprio partido causou posicionamentos divergentes na sigla, mas a composição da chapa majoritária se manteve, apesar das diferenças político-eleitorais.

Nesta sexta-feira (21), a candidata ao Senado pela Rede Sustentabilidade, a advogada e professora de Direito Adriana Rocha saiu em defesa da manutenção da candidatura de Julio Lossio ao governo de Pernambuco e da eleição de Marina Silva presidente do Brasil. Contudo, a conselheira federal da OAB também se posicionou radicalmente contra a candidatura de Jair Bolsonaro, rechaçando qualquer eventual aproximação com apoiadores do postulante.

"Minha candidata à Presidência da República é a Marina Silva. Aceitei o desafio de ingressar na política porque não me vejo representada. E isso faz com que eu seja coerente com as pautas que defendo como ex- presidente estadual da Comissão da Mulher Advogada da OAB, e, atualmente, como presidente nacional da Comissão da Promoção da Igualdade”, declarou Adriana.

Adriana tentou explicar a situação aparentemente constrangedora na qual seu cabeça de chapa, Julio Lossio, pode ter lhe colocado. ““Sempre lutei pela igualdade, pela democracia, pela diversidade; e cumprindo o que proclama a nossa Constituição. Jamais permitiria qualquer aproximação ideológica com candidaturas que não estivessem absolutamente alinhadas com minhas defesas e minha luta por uma cultura de paz e de tolerância”, argumentou.

Para Adriana Rocha, mesmo havendo um desconforto entre lideranças da Rede em Pernambuco, a posição do candidato ao Governo é importante para que os fatos possam ser esclarecidos em um processo que garanta a ampla defesa. “Só me interessa a verdade. Não estou na política para fazer conchavos, muito menos para abrir mão das minhas convicções”, concluiu.

comece o dia bem informado: